Recentes

Desktop Analisa: "Quero ser a tua Voz" de Alex Cruz

Após um tempinho sem análises aqui em nosso portal, apresentamos para vocês comentários a respeito do disco "Quero ser tua Voz" do cantor Alex Cruz. A produção do disco é assinada pelo renomado maestro e produtor musical Ronny Barbosa, que apresenta conceitos modernos e envolventes no estilo pop-adoração. Arranjos de corda, principalmente guitarra e contra-baixo não foram poupados neste disco, e isso nos agradou muito. O projeto é um lançamento da gravadora Lord Praises que desponta no mercado gospel com ótimos lançamentos e produções de bom gosto. Tendo disto isto, vamos as canções.


O disco é aberto pela boa "Me prostrarei", com uma letra de rendimento e total adoração a Deus, onde em primeira pessoa o cantor declara que se prostrará deixando tudo para adorar ao Senhor de todo coração e espirito, e esta é a melhor parte, se lançar aos pés do criador e toca-lo em adoração. A produção musical da canção é iniciada com alguns loops e teclado que logo em seguida recebem um backing e demais instrumentos. Logo depois o cantor inicia os versos e um violão discreto, com loops e batidas leves são adicionados. O backing vocal é muito bom. O destaque desta canção vai para os bons arranjos de contra-baixo que em alguns momentos da canção são bem audíveis. O replay é bem vindo e quem assina essa faixa é o próprio cantor, Alex Cruz. 

A segunda faixa é bem animada e já nos mostra que vem agitação por ai. Os jovens e comissões de louvor vão amar essa faixa. "Foi por amor" versa sobre o sacrifício de Cristo e sua dedicação em cumprir a missão de salvação. Um composição de Marcio Ferretti, a canção traz uma produção bem pra cima e dançante com batidas firmes e arranjos de guitarra que chamam atenção. O refrão é chiclete e misturado ao ritmo frenético da faixa são uma boa pedida para festas de jovens. 

"Mostra-me Tua Gloria" é a terceira faixa do disco e se trata de uma canção que particularmente gosto muito, pois é uma versão da canção "Show Me Your Glory" da banda Jesus Culture, interpretada por Kim Walker-Smith. A banda também gravou uma versão em português em uma serie de discos lançados em Inglês, Espanhol e Português. A versão de Alex é muito boa e não foge do contexto principal da faixa. Os arranjos de guitarra na introdução da música são muito bons e esse som pesado ao fundo deixam a faixa ainda mais bela. O refrão da faixa é um clamor para que a glória de Deus seja revelada. As batidas firmes e os contantes arranjos de teclado são os pontos principais da faixa que se misturam aos sons da guitarra. A interpretação do cantor, assim como nas demais canções é muito boa e nos convida para um verdadeiro ambiente de adoração.


A quarta música do disco é outra bem envolvente e já inicia com um brado do cantor. "Nada pode apagar" permanece no contexto da adoração e os arranjos de teclado são o ponto forte novamente. A bateria permanece firme com batidas boas. O refrão da faixa é forte e declara que nada pode apagar o amor de Deus. O replay é bem vindo e a faixa é assinada por Marcio Ferretti. 

"Tu és Bom" é a faixa com uma pegada envolvente e já inicia anunciando a que veio. Com batidas fortes, guitarra e um backing vocal alinhado. As bandas das igrejas precisam ouvir essa música e inserir em seus repertórios para animar os cultos. A letra versa sobre a dependência ao Senhor e a bondade dEle. Na transição da música tem uma guitarra acompanhada por bateria que arrepia. Nessa música destacamos o backing vocal que de forma frenética aparecem em situações estratégicas deixando a faixa ainda melhor. Essa é nossa faixa preferida e é assinada por Marcio Ferretti.

Na sexta faixa temos  outra versão de uma música bem popular aqui no Brasil com uma infinidade de versões. "Pra Sempre" é uma canção de Kari Jobe e traz uma profunda adoração ao Senhor. Os arranjos aparecem com alguns loops e batidas suaves  seguidos logo depois por alguns fortes, que são o diferencial dessa faixa. A mesma não se diferencia ou distancia das outras versões que temos, visto que a essência da faixa foi preservada. Aqui mais uma versão para os grupos inserirem em seus repertórios, agora em tom masculino.


A faixa que dá titulo ao disco é a sétima canção a ser ouvida no conjunto geral e novamente temos uma pegada pop envolvente e é uma verdadeira oração cantada, onde declaramos através da música nossa vontade de adorar e exaltar ao Senhor, sendo a voz que ele pode usar. A produção não traz muitos detalhes chamativos nessa faixa e permanece com o mesmo teor. Destacamos as paradinhas que a musica contem em seu conteúdo, isso é muito bonito e bom de se ver em um disco com pegada pop adoração. O refrão é chiclete e já pede vários replays. 

A antepenúltima canção é "Dance", uma versão de Chris Tomlin. Como o titulo bem sugere o conteúdo da canção é dançante e envolvente. Os arranjos de guitarra aqui são os destaques juntamente com os teclado, bateria frenética e alguns loops. A letra versa sobre um novo tempo que se aproxima onde o amor de Deus nos acompanha para sempre. Solte o som e dance ao Senhor ao som dessa bela versão. 

Chegamos a nona música do disco e elegemos ela como nossa segunda predileta. Pois inicia de forma leve, com arranjos em violão e teclado bem simples e bonitos. As batidas são compassada e firmes em um contexto de adoração. A letra é uma oração e declara que Deus é aquilo que precisamos, que queremos. Os loops são bons e a interpretação do cantor de fato se sobressaiu nessa faixa que é assinada por Saymon Cleiton.


Para encerrar o disco temos a canção "Poderoso" que é assinada por Alex. Ela é iniciada por um teclado que logo em seguida abre espaço para uma chamativa guitarra que se silencia quando o cantor inicia. Os arranjos dessa canção seguem o padrão de todo o disco com muita guitarra e batidas fortes. Em bom estilo o disco é encerrado e chamamos atenção para os teclados discretamente inseridos em alguns momentos das musicas. Deu um brilho a mais para a canção.

Assista o preview do disco: 


Temos aqui um disco que atende as expectativas de quem procura um bom pop adoração. As canções são organizadas de forma que as sequência não torna o disco cansativo. Temos uma mistura de músicas alegres, pra cima e dançantes, com canções que nos levam ao íntimo da Adoração. Entretanto, acreditamos que a regravação da canção "Pra Sempre" já não seja tão necessária, de um ponto de vista comercial, visto que já temos diversas versões desta faixa. Por outro lado, temos o forte do disco que é um belo show de batidas firmes e guitarras passeando por todo o álbum.
 
Quem assina a os projetos de arte do cantor é a Átrio Agency e as fotos são de André Eder. 

Ficamos por aqui. Um forte abraço!

Alisson Lima | DESKTOP GOSPEL

Um comentário:

Tecnologia do Blogger.