Recentes

DESKTOP ANALISA | Eliã Oliveira - Benção

Recentemente fizemos uma enquete no site e deixamos que escolhessem um CD de destaque para ser analisado. CDs como "Adoração na Guerra" e "Deus e Eu" estavam para ser escolhidos, porém o novo disco da cantora pentecostal Eliã Oliveira venceu (como já prevíamos, rs).

"Benção" é composto por 12 faixas de diferentes compositores, sendo a maioria assinada pela própria cantora. Sua produção musical ficou por conta do maestro Kleyton Martins com o selo da gravadora WA Music, que contratou Eliã Oliveira dias antes do lançamento nas plataformas digitais.

O disco segue no estilo pentecostal que só Eliã sabe fazer! Canções com base bíblica, inspiradas pelo Senhor e interpretadas com autoridade e unção como nos lançamentos anteriores - "Em Nome do Senhor", "A Carta" e "Vencendo de Pé". A cantora ficou reconhecida em meados de 2011 com a canção  que marcou diversos círculos de oração, "Gideão e os Trezentos". Desde então, a pernambucana ganhou conhecimento em todas as igrejas do Brasil!

O CD é iniciado por "Sinais do Arrebatamento". Introduzida por violinos e bateria, trazem a batida de uma marcha junto ao backing vocal. A canção retrata os sinais da volta de Cristo e troca de ritmo algumas vezes até o final, começando de forma mais calma, agitando um pouco na metade e acelerando perto do fim. A guitarra pega pesado junto às batidas da bateria no refrão e talvez te impeça de ir pra segunda faixa de tão bom que é a abertura de "Benção".

"Mais de Ti" é uma canção de dependência do Senhor em todo o tempo baseada no versículo de João 3:30. O destaque instrumental na faixa são os instrumentos de corda acompanhando a linda interpretação de Eliã, que sobe as notas e desce enfatizando cada palavra cantada. 

Canção-título e destaque do CD, "Benção" segue a linha de "Em Nome do Senhor" e diversas outras canções-títulos lançados anteriormente. Sua introdução, de todas já lançadas, é a mais linda, complexa e bem arranjada pelos violinos que, por mais de um minuto, tocam o mesmo arranjo e voltam na declamação e no final. Junto a bateria e a guitarra, Eliã declama com autoridade e conta a história de Balaão e Balaque. As paradas no final da música fazem o clima ficar ainda mais pentecostal, dando ênfase em cada frase cantada pela cantora que não deixa passar um fio de ar entre as palavras. O replay é certeiro, meus irmãos (rs)!


Após uma canção agitada, "Te Adorarei" chega de forma mais tranquila junto a guitarra e o piano. A bateria brilha no refrão em ritmo marcial acompanhando cada palavra de Eliã junto ao backing vocal. Sua letra retrata as magnificências de Deus e declara que "independente do que for, te adorarei". Na volta ao refrão, os instrumentos silenciam-se e deixam os violinos seguirem Eliã junto a um solo gritante de guitarra e bateria.

"No Tempo Dele" é outra canção de destaque do álbum. Já inicia com os instrumentos seguindo o ritmo pentecostal com um solo de piano e violão, enquanto o baterista acompanha o compasso no bumbo. A letra é baseada na história de Marta e Maria a espera de Jesus após a morte de Lázaro e figura Jesus dizendo que Ele trabalha no tempo Dele, não no delas (ou no nosso). "Pra o teu problema, meu filho, eu sou a saída e como resposta, te digo: sou vida; creia tão somente, Eu sou o que Sou"!

"DNA de Adorador" nos traz uma canção pentecostal mais lenta, porém com uma pegada forte e impactante. As batidas acompanhando Eliã junto ao backing nos faz sentir o que a faixa quer transmitir: a real essência do adorador, ou seja, o verdadeiro adorador! Tem um refrão fácil, mas que exige um certo alcance vocal pela extensão das finalizações. O maior destaque vai para o piano, que aparece em toda a canção desde a introdução.

Diferente dos demais ritmos e estilos das faixas anteriores, "O Rei Vai te Chamar" segue o sertanejo introduzido por um solo de violão e, segundos depois, por toda a banda. A história de Mefibosete é relatada, tendo foco o momento em que Davi mandou o chamar para honrá-lo, pois era da linhagem de Saul. Uma canção gostosa de ouvir e que não deve ser pulada (rs).

"Céu", logo de cara, nos lembra hinos antigos que nossos irmãos louvavam na década de 90. Sua letra descreve o lugar onde mui em breve estaremos, visto por João e descrito no livro de Apocalipse. A sanfona aparece baixinho durante a faixa enquanto Eliã enfatiza cada palavra e torna o refrão um pouco difícil - mas isso não é nada novo para ela (rs). Próximo ao final, Eliã canta parte do clássico "Céu, Lindo Céu" e volta ao refrão. As irmãs do círculo de oração que se preparem!

A nona faixa se inicia com um solo simples de bateria junto aos instrumentos de corda. "Tem Jeito" traz de volta o estilo das primeiras faixas do disco e, infelizmente, faz com que as canções se pareçam a ponto de já pensar ter ouvido. Porém não deixa de ser uma música linda em conteúdo e letra.

"Unguento Derramado" é uma oração, uma petição de entrega ao Senhor baseado no perfume derramado por Maria nos pés de Jesus. Uma canção com certo diferencial que traz mais adoração do que pentecostal. Os violinos acompanham a cantora em toda a reprodução e junto a bateria, de forma simples, torna a faixa gostosa de ser ouvida. "Seja o levantar das minhas mãos, qual sacrifício da tarde. Seja o meu louvor, minha oração como cheiro suave".

A penúltima faixa de "Benção" traz uma canção de agradecimento por tudo que já foi passado. "Te Agradeço" não tem outro foco se não agradecer ao Senhor pelas lutas enfrentadas e vitórias conquistadas. A guitarra segue os violinos na introdução e a bateria junto a percussão tocam suavemente toda a faixa.

Para fechar o disco, "Frutificando em Tempo de Crises" é uma breve canção que encerra o CD diferente de como inicia: de forma impactante, porém mais calma. O violão junto a bateria e os violinos fazem a introdução, crescendo no refrão. Sua letra tem como foco as mulheres cristãs que frutificam em tempo de crise, em meio a tempos difíceis, porém avançando junto a igreja!

"Benção" foi um dos CDs de destaque no ano de 2017, principalmente por "salvar" um pentecostal na qual canções não fluem como antigamente, não tem conteúdo em suas letras e o principal: não há unção nas gravações, mas um interesse que vai além da vontade de adorar a Deus. Eliã Oliveira é, sem dúvidas, nosso grande exemplo de mulher adoradora que combate e vai contra os princípios humanos, levando a palavra através de seus louvores ungidos que tocam os corações.

Por isso, que o nosso DNA de adorador possa sempre correr em nossas veias, dizendo sempre "mais de ti, Senhor", para que a benção do Senhor nos alcance. Que o nosso unguento derramado seja apenas para o Altíssimo, sabendo que no tempo Dele as coisas vão se resolver. Diga sempre "te agradeço, Deus; para sempre te adorarei", pois, para tudo, tem jeito! Enquanto isso, que possamos frutificar em tempos de crise, pois os sinais do arrebatamento já se podem contemplar e muito logo o rei vai nos chamar para sua morada: o céu! Até a próxima.

Matheus Seixas | DESKTOP GOSPEL


3 comentários:

  1. Glória à Deus! Parabéns pela análise. Esse cd é uma verdadeira Benção. Deus continue abençoando à Eliã ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. verdade! um CD rico em todos os sentidos; uma "bênção" para nós, rs. obrigado pelo comentário.

      Excluir

Tecnologia do Blogger.