Recentes

Desktop Analisa: "Sinais" de Adriana Aguiar

No ano de 2015, foram diversos os lançamentos que tiveram destaques: Canção e Louvor, Eliane Silva, Gisele Nascimento, Diante do Trono, Gislaine e Mylena, entre outros exemplos. Sendo assim, para nossa segunda análise de 2016, quero voltar para o ano passado e pegar um CD que emocionou muitas pessoas, além de surpreender pelos arranjos complexos de instrumentos de corda e a boa colocação da voz da cantora em todo o disco.
No final do primeiro semestre de 2015, a cantora Adriana Aguiar lançou seu quinto álbum, intitulado “Sinais”. Seguindo o estilo pentecostal como em seu posterior trabalho, “Comemore” – trabalho lançado no Gideões, em Camboriu/SC, que na qual trouxe uma grande repercussão na carreira da cantora -, Adriana fez com que mais uma vez ficássemos de boca aberta com seu novo trabalho.

O CD, lançado pela Sony Music em parceria com a Melody Gospel, é considerado o melhor álbum pentecostal de 2015. É composto de 10 faixas produzidas por Adilson K. Rodrigues – produtor dos CDs de Suellen Lima e Thiago Alves - com autorias de Anderson Freire, Cláudio Louvor, Marcos e Matheus, Ricardo Alves, Raquel Santos e Silvan Santos. 
 
Para abrir nossa análise, começamos pela faixa que abre o disco e uma das canções de destaque. “Ele Veio” nos traz a história dos jovens Sadraque, Mesaque e Abednego através de uma conversa entre eles ao saberem sobre o decreto do rei Nabucodonosor – nos lembra a canção “Paulo e Silas” de seu álbum posterior. O louvor é introduzido pela orquestra e bateria, e traz arranjos de flauta doce em algumas partes. O que chama atenção na canção, é o bom uso de violinos em mistura com o violão. Na metade da canção, Adriana faz com que a faixa brilhe ainda mais fazendo um declamado e, logo após, a música tem uma pequena mudança e com grande maestria é entoado o hino “Se Cristo Comigo Vai” da harpa cristã. “É Ele sim, Ele veio, está andando em nosso meio; eu vou seguir marchando, e o rei lá fora adorando!” A flauta doce trouxe um brilho maior a esse coro, que misturada ao backing da vida à canção. 

“Sinais” é introduzida por um som de trovão e uma sirene de ambulância e, logo, o backing vocal entra junto com os instrumentos de sopro, nos trazendo uma faixa rica de arranjos de metal. As batidas firmes mescladas as trompas e violinos trazem uma canção forte. Composta por Cláudio Louvor, a canção se trata do arrebatamento da igreja. A letra não nos surpreende no inicio, mas o auge está na ponte da canção, quando acompanhada de um excelente backing Adriana canta, “eu quero o céu, almejo o céu, sonho com o céu, penso no céu, amo o céu, adoro o céu, falo do céu, eu vou pra o céu, não quero mais nada, nem ficar aqui o que eu quero mesmo é subir”, assim como em toda a faixa os instrumentos de sopro nos surpreendem e realmente nos lembram das trombetas tocando: “vai estar no céu, a igreja estará no céu, quando a trombeta tocar e esse céu abrir, com Jesus vamos subir.”

A terceira faixa nos traz a marcante história da vinha de Nabote que era muito desejada pelo Rei Acabe. “A Herança” nos traz toques de violinos e violoncelos novamente, e tem como foco a herança que Deus nos deu. A canção inicia de forma modesta, com um backing moderado e uma espécie de chocalhos tocando ao fundo, mesclados com violoncelo e violão. A canção vai ganhando força e novos instrumentos são acrescentados, uma bateria bem tímida é ouvida ao fundo e no refrão ela da força a faixa. Composta por Cláudio Louvor, a letra fica a cada vez mais forte, principalmente no final. “É você sendo fiel e eu suprindo tudo, é você sendo fiel e eu sendo o seu escudo, é você sendo fiel e eu te prosperando, é você sendo fiel e eu te abençoando”. No final podemos ouvir de forma bem modesta uma guitarra misturada aos violinos. O destaque aqui não está na produção - que mesmo simples foi boa - mas sim na interpretação da cantora que faz dessa canção uma das mais fortes do disco. 

 Eita! Olha ai a canção que não poderia faltar nesse CD! “Pisei na Brasa” é a continuação da canção “Pisa na Brasa” do álbum “Comemore”. Os arranjos dos instrumentos de sopro junto com a sanfona, bateria e o declamado de Adriana nos fazem entrar no ritmo da canção. Se você é do reteté, do manto, você não pode pular esta faixa! Canção bem estruturada e ganha destaque pela belíssima interpretação da cantora. Que mais uma vez trouxe seu famoso “AaaLeluiaa” (rsrsr). 

“Promessa e Fé” é uma de nossas canções preferidas do disco. Composta por Anderson Freire, a faixa é um adoração e toca fundo quando entra a orquestra entra para abrilhantar a canção. Com bases de teclado, a canção começa bem modesta e de forma emocionante são inseridas baterias e guitarras, trazendo ainda violinos. O louvor se trata da promessa que Jesus nos fez de que voltaria para nos buscar em breve. Logo após o refrão, há uma ponte instrumental da orquestra junto com um solo de guitarra, o que nos emociona ainda mais! No refrão final da faixa, Adriana abrilhanta a canção fazendo uma técnica vocal chamada “drive”, e, sem dúvida alguma, coube muito bem em sua voz de contralto! A produção aqui não é o ponto forte, mesmo trazendo um pentecostal bem pesado na ponte, à interpretação e letra, são os altos da canção. 

“Aguenta firme, não desista, siga em frente, olhe acima (...)” é minha canção preferida (Matheus) – é tanto que não agüentei colocar apenas o nome da canção, rs. “Aguenta Firme” – ou “Vencendo por Ti” – é introduzida por instrumentos de corda e se trata de uma canção de encorajamento. Seu refrão se torna viciante após a cantora cantar pela primeira vez e depois subir uma oitava, fazendo com que a canção fique mais complexa. Além disso, a canção traz uma subida de notas com instrumentos de corda após o retorno ao refrão. Essa é mais uma composição de Anderson Freire. 

“Mulheres Guerreiras que Oram” é uma composição de Raquel Santos e se trata sobre mulheres que são selecionadas, nascidas no fogo, que caminham na brasa, as irmãs do “coque” – oh glória! A canção traz um belíssimo arranjo junto com o backing vocal, instrumentos de corda e sanfona. A canção havia sido gravada anteriormente por Mara Lima. Ao ouvir a versão de Adriana, a pergunta que me veio a mente (Alisson) foi, “É a mesma canção? Adrian trouxe um backing pesado e mais para a canção com as perguntas e respostas. Além de seus “AaaLeluia” e Gloria Deus”. “Mulheres guerreiras, onde é que então vocês?” (ainda existem mulheres guerreiras sim, e se reclamar elas revelam o seu RG - brincadeirinha). 

A oitava faixa do CD nos traz a orquestra completa – cordas e sopro. “Hoje aos Teus Pés” é uma adoração e uma canção simples. As batidas secas de tambores no inicio em mistura com uma segunda voz que não é a de Adriana abrilhantam a canção, que no refrão traz uma belíssima colocação de violinos. Fala sobre a dependência de Deus, que necessitamos de sua ajuda e que aos seus pés estamos para encontrá-lo. “Lá Vem Jesus”, minha segunda preferida do CD rsrs (Alisson), se trata da história do endemoniado de Gadara. É uma canção que começa um pouco agitado junto com a orquestra. Uma sanfona bem modesta ao fundo já nos da uma ideia que a canção pode mudar a qualquer momento. Essa é o tipo de pentecostal que tira suspiros, a canção vai crescendo e ganha forma e quando você menos espera, anunciada anteriormente por sanfonas a música vira um forró que chega arrebentando com tudo, acompanhada de um backing e uma interpretação digna da cantora que de forma plausível usa os drives! O louvor tem uma letra forte que na qual fala do poder de Jesus e que Ele pode todas as coisas.

Para encerrar o disco com chave de ouro (aaaah), “Novo Projeto” começa com bateria e um solo curto de guitarra. A canção fala sobre Deus estar no meio de nossos projetos e que se Ele assina tudo dá certo! Exclusivamente nesta faixa, o backing vocal ganhou grande destaque por sua forte entoação e mostrou sua função. Adriana mais uma vez nos surpreende com sua interpretação. “Se o Senhor assinar, a fé não é em vão, ninguém para nem embarga quando põe a mão!”

“Sinais”, como dito no início da análise, pode ser considerado o melhor CD pentecostal do ano de 2015. O produtor Adilson Rodrigues mais uma vez mostrou que sabe fazer uma produção de qualidade e todo o arranjo feito com a orquestra só abrilhantou o álbum. O único detalhe que fez falta foi a maior presença do backing vocal, porém eles mostraram sua função na canção que fechou o CD. Felizmente, não há o que criticar sobre esse sucesso! Arranjos bem definidos, orquestra bem regida, voz bem colocada e interpretada de forma perfeita. 

A bela arte foi feita pela Observ Design! Uma capa simples, porém modesta e muito bem projetada. 

Que este álbum possa te emocionar como nos emocionou ao ouvirmos. Lembre-se que Jesus está voltando, e seus sinais já estão em tudo que se vê. 


Aguarde por essa promessa, tenha fé, aguente firme, pois logo Ele vem. Mas enquanto Ele não volta, faça planos segundo sua direção, se renda aos seus pés, não venda sua herança a ninguém e seja soldado que vence batalhas e que “pisa na brasa”! 

Obs: No encarte do CD, as canções "Sinais" e "A Herança" estão assinadas somente por "Louvor", sendo assim acreditamos que se trata de Claudio Louvor. 

Matheus Seixas ( analise de letra e arranjo em geral) / Alisson Lima ( analise de produção e instrumental) | DESKTOP GOSPEL

4 comentários:

  1. Análise merecida e palavras perfeitas ao cd, que fazem jus ao nível do mesmo, e aproveitando a ponte, cabe a pergunta ela tem projetos novos para 2016, agora quem merece somos nós!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Análise merecida e palavras perfeitas ao cd, que fazem jus ao nível do mesmo, e aproveitando a ponte, cabe a pergunta ela tem projetos novos para 2016, agora quem merece somos nós!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Análise merecida e palavras perfeitas ao cd, que fazem jus ao nível do mesmo, e aproveitando a ponte, cabe a pergunta ela tem projetos novos para 2016, agora quem merece somos nós!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Que bom que gostou.
    É esperado que a cantora nos aprensente algo novo, mas acreditamos que não para agora. Quem sabe lá pelo segundo semestre de 2016?!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.